Dono de boate em Samambaia foi morto pela facção Comboio do Cão em queima de arquivo



KALIL BURGUERS
De acordo com as investigações da PCDF, o estabelecimento seria usado pelo grupo para lavagem de dinheiro amealhado com o tráfico de drogas.

APolícia Civil do Distrito Federal investiga o assassinato de um empresário alvo da facção criminosa Comboio do Cão (CDC). Tiago Cunha Morais, 33 anos, dono da Boate Dubai, localizada em Samambaia, teria sido vítima de “queima de arquivo” por ter presenciado um duplo homicídio ocorrido no mesmo local, na última quarta-feira (13/05).


O empresário acabou morto no sábado (16/5) na frente ao seu estabelecimento. O caso é apurado pela 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul).

De acordo com as investigações, a boate seria usada pela facção criminosa para a lavagem de dinheiro amealhado com o tráfico de drogas e venda e aluguel de armas. Tiago teria, segundo a polícia, relação com os homens que depois se tornariam seus algozes.
“Nossa investigação envolve lavagem de dinheiro. Temos certeza de que a morte do dono do local foi queima de arquivo por ter presenciado o duplo homicídio, mas outros fatores são alvo de apuração”, explicou o delegado-chefe da 32ª DP, Pedro de Moraes.

Câmeras do circuito de segurança instaladas próximas ao local do crime registraram o momento da execução de Tiago. A vítima organizava a entrada da boate quando foi surpreendida e baleada diversas vezes. Testemunhas que estavam nas proximidades chegaram a socorrê-la ao Hospital Regional de Samambaia (HRSam), mas ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

0 comentários:

Postar um comentário