Mãe se desespera na despedida da filha assassinada em Samambaia


O enterro de Gabrielly Miranda, 18 anos, foi marcado pelo desespero da mãe da jovem, Wildiane da Silva Souza Miranda. Gabrielly foi morta na terça-feira (14/01/2020) pelo namorado, Leonardo Pereira. Ele a assassinou com um tiro na cabeça.
Wildiane passou todo o enterro, no Cemitério de Taguatinga, chorando a perda da filha. Quando o caixão chegou, a mãe pedia para a jovem acordar e voltar. “Por que você não me ligou, minha filha, minha menininha. Eu não vou aguentar ficar sem você”, gritava a mulher.
A mãe lamentou a situação da filha baleada. Segundo Wildiane, Leonardo também já havia a ameaçado de morte.
“Ele bateu na minha filha, matou minha filha! Ele disse que te amava? Que amor é esse? Se te amasse, não mataria”, dizia aos prantos. “Agora, fica o coração partido de uma mãe.”

Ainda segundo a mãe, Gabrielly “lavava, passava e cozinhava” para Leonardo. “Eu pensei que fosse morrer antes dela. Minha filha me ajudava tanto em casa. Lavava, passava e cozinhava para aquele monstro”, afirmou. “Volta para mim, Gabrielly. Como eu te amo”, gritava a mãe.
Medo
Uma familiar, que preferiu não se identificar, afirmou que muitas pessoas evitavam falar sobre o caso e não faziam boletim de ocorrência por causa de o homem ser perigoso.
“Eu já sabia que havia o risco de acontecer algo sério. Essa história de roleta-russa é mentira. Eles estavam há três anos juntos e ele vivia empurrando, batendo nela. Não posso falar muito porque ele é perigoso, fazia parte de uma quadrilha. Até por isso, o BOs não eram feitos quando ele a agredia”, contou a parente.
A própria mãe já havia alertado a jovem sobre Leonardo. “Falei para ela não se apaixonar por assassino. Ele tem que morrer, meu Deus!”, gritou, em desespero, ao saber da morte da filha. “Não acredito que esse homem fez isso com a minha filha. A minha filha não, meu Deus! Ele acabou com a minha vida”, continuou.
A mãe afirmou que o homem já havia ameaçado ela e a filha de morte. “Um tiro na cabeça é acidente? Minha filha morreu, gente. Todo mundo tinha medo dele. A gente não fez um BO [boletim de ocorrência] porque quem faz BO para morrer? Ele chegou a me ameaçar e minha filha andava destruída”, contou Wildiane.
Prisão mantida

Leonardo Pereira, suspeito de matar Gabrielly, permanecerá preso por tempo por indeterminado. Na cena do crime, o homem defendeu que estava “brincando de roleta-russa” com a vítima. A decisão pela manutenção da prisão foi tomada na manhã desta quarta-feira (15/01/2020), durante audiência de custódia. O caso é tratado como feminicídio.
Na ata da audiência, a juíza Lorena Alves Ocampos relembra o depoimento prestado pelo suspeito na 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia).
“A suposta brincadeira com a vítima teria se iniciado no momento em que ela teria pegado a referida arma de fogo e passado a puxar o gatilho com a arma apontada na direção de sua própria perna, donde se pode verificar que ela não teria o intuito de correr risco de morte”, destaca a magistrada.

Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

0 comentários:

Postar um comentário