Sala de aula de escola em Samambaia vira “forno” no período da seca


A onda de calor e a baixa umidade relativa do ar registradas nos últimos dias no Distrito Federal têm prejudicado alunos de escolas da rede pública de ensino. Na Escola Classe 303 de Samambaia Sul, há relatos de alunos que passam mal em sala de aula e crianças com sangramento no nariz (foto em destaque), segundo denúncia de funcionários.



Na manhã de terça-feira (10/09/2019), a professora do 3º ano Camila da Silva Mateus gravou vídeo no qual ela apresenta as condições de trabalho dentro da instituição de ensino. Nas imagens registradas, a educadora mostra o telhado de zinco e as paredes de placas de concreto, além de janelas quebradas, sem manutenção e que não abrem. Segundo ela, dentro da sala de aula, a sensação térmica chega a mais de 40ºC.

“Estamos na Escola Classe 303 de Samambaia. São 11h e o sol está de rachar no céu. Telhado de zinco e paredes de placa. Essa é a combinação perfeita para se fazer um forno”, diz Camila. Ainda na imagem, ao entrar na sala de aula, os alunos abanam papel para espantar o calor.
“A sensação térmica dentro dessa sala é de mais de 40ºC. Todo mundo suado, cansado e com muito, muito calor. Além disso, as janelas estão estragadas e não tem manutenção possível. Elas não abrem em muitas salas. O que torna o ambiente insalubre tanto para nós, profissionais, professores, quanto para os nossos alunos que não têm condições de aprender em um ambiente como esse”, acrescenta.

O outro lado
Em resposta à reportagem, o coordenador regional de ensino de Samambaia, Elivan Feitosa, explicou que a Escola Classe 303 de Samambaia existe há mais de 30 anos e tem problemas estruturais e em relação à acessibilidade. “A nossa equipe já esteve lá verificando a possibilidade da troca de janelas. Fizemos manutenções em anos anteriores e, agora, vamos realizar outras para que, no futuro, possamos reconstruir a unidade por completo. A escola já se encontra no plano de obras para reconstrução.”


Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

0 comentários:

Postar um comentário