Bombeira que morreu eletrocutada era moradora de Samambaia



Morreu na tarde deste domingo (15/09/2019) a bombeira militar que foi eletrocutada quando atendia a uma ocorrência. O batalhão onde Marizelli Armelinda Dias estava lotada tentava apagar um incêndio florestal em Taguatinga Norte, quando uma árvore caiu em cima de fios de alta tensão e a soldado acabou atingida pelos galhos e pela corrente elétrica. O acidente aconteceu ao lado do Super Adega, na QNL 2.






Em estado gravíssimo, os médicos tentaram estabilizá-la por várias horas a fim de poder realizar a transferência para outra unidade de saúde. Segundo a corporação, a bombeira teve fraturas e um provável trauma no crânio. Em nota, o CBMDF disse que o comando do órgão está mobilizado e dando todo à sua família.
A Companhia Energética de Brasília (CEB) cortou a rede para os militares poderem fazer o atendimento. Apesar de um helicóptero ter sido chamado ao local, a mulher foi transferida ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC) de ambulância.
Formada na mesma turma de Marizelli, uma jovem bombeira que não quis se identificar contou à reportagem que a colega era “superguerreira e alto-astral”. “Todo mundo a conhecia”, diz a militar, de 28 anos. “Criava as Charlie Mike (canções militares) e puxava muito as canções”, continua.
“Uma tragédia como essa é muito triste. Nos faz repensar várias coisas. Nossa profissão é de risco e isso nos mostra que saímos para salvar vidas, patrimônio. Mas muitas vezes não sabemos se vamos voltar vivos para as nossas famílias, se vamos conseguir nos salvar”.

Zelli, como era chamada pelos mais próximos, deixa dois filhos: um menino e uma menina.




Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

1 comentários:

  1. Meus Sentimentos aos Familiares dessa heroina que morreu no comprimento do fever da Glorioso Instituição Militar do Corpo de Bombeiros !!

    ResponderExcluir