Polícia investiga pelo menos 11 casos de negligência em Hospital Regional de Samambaia




A Polícia Civil do Distrito Federal investiga pelo menos 11 casos de negligência médica e violência obstétrica no Hospital Regional de Samambaia (HRSam), no Distrito Federal.
De acordo com os investigadores, os casos ocorreram no centro obstétrico da unidade e abrangem vários tipos de conduta inadequada, desde gazes esquecidas dentro de pacientes até curetagens mal feitas.



Segundo a polícia, em um dos casos, um médico subiu em cima de uma paciente na hora do parto, o que acabou quebrando a clavícula do recém nascido. Apesar do ferimento, a criança sobreviveu.


Ao G1, a direção do Hospital Regional de Samambaia informou em nota "que recebeu denúncias envolvendo servidores da unidade. Todas as providências estão sendo tomadas pela direção e pela Superintendência da Região de Saúde Sudoeste".
Ainda de acordo com o texto, "um processo sigiloso foi aberto no âmbito da Secretaria de Saúde, que apura os fatos".

Médicos investigados
Pelos menos oito médicos estão sendo investigados, sendo que quatro deles foram citados em mais de uma ocorrência por suspeita de negligência médica e violência obstétrica.
As vítimas foram identificadas e ouvidas pela 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia). Desde setembro do ano passado, pacientes atendidas no HRSam têm procurado a unidade para registrar ocorrências relatando procedimentos mal sucedidos realizados no hospital.

Em um outro caso, a vítima teve o útero perfurado após um procedimento de curetagem. A mulher procurou uma clínica particular. No local, foi aconselhada a retirar o útero, por conta dos danos causados pelo procedimento mal feito.
Só neste ano, oito mulheres procuraram a delegacia para denunciar os casos. Segundo o delegado Guilherme Sousa Melo, da 26ª DP, a Polícia pretende instalar um único inquérito para apurar as ocorrências.

“A Polícia Civil vai responsabilizar médicos que não prestam atendimentos a pessoas carentes de Samambaia”, afirma.
Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

3 comentários:

  1. Minha mãe foi vítima também, em 2009 um médico esqueceu gases dentro dela... Até hoje minha mãe tem sequelas...e muitas...
    O processo judicial ocorreu em 2010 e até hoje ela não foi indenizada...

    Sempre foi conhecido aí como matadouro, não tem atendimento adequado, pois acho que a população samambaiense sofre preconceito... Exemplo: não vamos atender esses pobres fudidos...ou se atendermos atendemos igual lixo... Acho que essa deve ser a visão, só pode...

    ResponderExcluir
  2. Tive meu 2° filho no Hrsam em outubro de 2017, e fui muito mal tratada. Meu filho foi o último parto no plantão do médico. Além dele ter se negado a dar o corte pois nao havia passagem para meu filho sair, e terminou rasgando a pele quando ele terminou de dar os pontos" literalmente" jogou em mim um copo com álcool e ainda ironicamente me chamou de "miss simpatia", se negando ainda a autorizar a entrada do meu esposo que estava aguardando na sala ao lado. Quando terminou foi logo indo embora, e as enfermeiras vieram até mim pedir desculpas, tentando se explicar.

    ResponderExcluir
  3. Espero q seja resolvido logo porq muitas vidas então em risco, eu mesmo estou gravida ganho neném em dezembro pra janeiro e não sei oq fazer

    ResponderExcluir