Conheça a história de bailarino de Samambaia selecionado para escola de dança de Nova York



É comum escutar que vida de bailarino não é fácil, ou que dançar não "dá futuro". Viver do ballet é uma escolha árdua que, muitas vezes, precisa ser dividida com outras funções. Apesar dos obstáculos, quatro bailarinos brasilienses tentam realizar o sonho de viver da dança – com direito a um curso internacional para incrementar o currículo.




Este é o lema que impulsiona o bailarino Warley Castro, de 26 anos, morador de Samambaia a se permitir romper com os próprios limites. "Eu sou meio rebelde", conta, enquanto ri de si mesmo.

Há 10 anos, Warley teve o primeiro contato com o mundo da dança. O convite veio de uma amiga, que pediu a companhia dele para uma aula experimental de ballet. Desde então, o morador de Samambaia vive o amor pela dança.

"Quando comecei a dançar, meu sonho era ser um bailarino internacional, viajar o mundo. Hoje, para ganhar dinheiro, faço alguns bicos como bailarino. Já cheguei a trabalhar em 11 lugares ao mesmo tempo", relembra.

Questionado pelo G1 sobre a expectativa pelo curso, Castro se mostrou preocupado. "É sempre um obstáculo, a questão financeira." Até essa semana, ela ainda não sabia se teria dinheiro ou patrocínio para cursar os dois meses de estágio.

Para ajudar Warley Castro, amigos fizeram umavaquinha online



Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

0 comentários:

Postar um comentário