'Não tem UTI, amo vcs': Mensagens de mãe morta por covid-19 para filha

 



Valéria, que tinha 42 anos, estava internada em decorrência de complicações da covid-19. Em um hospital público de Esteio, município do Rio Grande do Sul, ela passou seus últimos dias de vida em meio ao caos ligado à falta de leitos em diversas regiões do país, em razão do aumento de casos do novo coronavírus no Brasil.

 O último contato da comerciante com a filha mais velha, por meio do WhatsApp, foi compartilhado pela jovem de 23 anos no Twitter horas após a morte de Valéria, na terça-feira (02/03).

"Essa foi a última mensagem que tive da minha mãe (...) Usem máscara, não saiam se não for necessário, por favor", escreveu Giulia na publicação, que já teve mais de 125 mil curtidas e mais de 13 mil compartilhamentos na rede.

 

A situação vivida por Valéria ilustra o caos vivido no país em decorrência da covid-19 — nos últimos dias, o Brasil registrou sucessivos recordes de mortes e se aproximou de 2 mil óbitos pelo novo coronavírus em 24 horas.

 

A família relata que Valéria sempre adotou os cuidados necessários para que não fosse infectada pelo coronavírus.

 

Os parentes acreditam que ela, que era dona de uma sorveteria na cidade de Esteio, tenha sido infectada pelo coronavírus enquanto atendia algum cliente.

"As pessoas pouco se importavam. A minha mãe cansou de brigar com clientes (para que usassem máscara)", relata Giulia.

 

Os primeiros sintomas da comerciante começaram por volta de 14 de fevereiro, quando ela passou a tossir muito. Dias depois, fez um teste que apontou que ela e o marido estavam com o novo coronavírus. O casal ficou isolado. Giulia, que mora com a avó em outra casa, relata que a mãe chegou a ir algumas vezes ao hospital, mas logo era liberada.

 

"Os hospitais estavam cheios, então os profissionais de saúde viam alguma melhora nela e a liberavam para que outra pessoa pudesse ser atendida também", relata a jovem.

 

Em 20 de fevereiro, a situação se agravou. Valéria, que tinha diabetes e asma, teve os pulmões duramente comprometidos pelo coronavírus. Ela foi internada na área de emergência de uma unidade de saúde pública.

"Ela sempre mandava mensagens para a gente porque podia ficar com o celular enquanto estava internada. Porém, ninguém podia visitá-la, só o meu pai que podia ir para levar algo que ela precisasse", relembra a jovem.

No último sábado, o quadro de Valéria se agravou ainda mais. Os médicos orientaram que ela fosse encaminhada para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Mas diante do cenário de falta de leitos no Rio Grande do Sul, ela não conseguiu.

 

Como em diversas partes do Brasil, a atual situação da pandemia no Rio Grande do Sul é considerada extremamente preocupante. O cenário é o pior desde os primeiros registros de covid-19. Há fila de espera por um leito de UTI. O governo do Estado avalia o aluguel de contêineres refrigerados para acomodar um eventual excesso de corpos.

 

Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

0 comentários:

Postar um comentário