A seca chegou. É tempo de prevenir incêndios



A chegada do período de estiagem requer uma série de cuidados com a saúde e também com meio ambiente, pois a possibilidade de incêndios florestais neste período é maior por conta das condições climáticas.
Desta forma, o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) intensifica ações preventivas. Neste sábado (6), a segunda fase da Operação Verde Vivo entra em vigor, com equipes exclusivas nos grupamentos localizados na Asa Norte, Santa Maria, Brazlândia, Samambaia e Planaltina. Cerca de cinquenta militares estarão destacados diariamente para esta função.

A Operação Verde Vivo é executada em quatro fases. A primeira delas ocorre entre abril e maio. Nesta etapa a corporação juntamente de representantes da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) focam na conscientização da comunidade, em especial dos moradores de áreas rurais – onde habitualmente há os maiores focos de incêndios. 
É também o período em que bombeiros são capacitados para atuar no combate a incêndios no Cerrado. Nesta sexta-feira (5), ocorre a última fase da capacitação que está sendo realizada pelo Grupamento Especializado em Proteção Ambiental (Gepram).
Os moradores dessas regiões recebem orientações básicas para evitar as ocorrências e também a confeccionar abafadores. Em caso de uma situação real, mas de pequena proporção e sem risco, o próprio morador poderá utilizar o material antes da chegada das viatura de primeiros socorros.
A terceira fase – que compreende os meses de agosto a outubro – é a mais crítica, pois compreende o período de estiagem, em que as queimadas tendem a aumentar.   A partir deste estágio, as unidades do Corpo de Bombeiros aumenta a mobilização para o atendimento a casos de incêndios florestais. Neste período o número de militares passa para 75 por dia e as bases de atendimentos exclusivos passam a contar com os grupamentos localizados no Núcleo Bandeirante, Gama, São Sebastião, Recanto das Emas e Ceilândia.
De acordo com o comandante do Gepram, o tenente-coronel José Genilson, o número de militares pode aumentar, a depender da necessidade. “De acordo com cenário, podemos aumentar a quantidade de militares para esta ação em específico. Eles ficam nos quartéis preparados para atuação em focos de incêndios ambientais”.
Em novembro, com o início das chuvas, ocorre a desmobilização gradual das equipes destacadas exclusivamente para as queimadas. Neste ano, foram registradas 52 ocorrências de incêndios florestais de janeiros a maio. No ano passado o total chegou a 320 no mesmo período.
Como forma de prevenir os incêndios florestais, a corporação realiza uma série de atividades por meio da Operação Verde Vivo, colocada em prática anualmente. Porém, a participação da população ainda é a primordial no combate às queimadas.
“Alguns comportamentos ainda permanecem, como fogueiras mal condicionadas ou limpeza de terreno com uso de fogo. Mas percebo uma maior conscientização da população neste sentido”, relatou o tenente-coronel Genilson.
Alguns cuidados necessários para coibir incêndios florestais:
– Não atear fogo para limpeza de terrenos, lixo ou resto de podas de árvores;
– Após fumar, apagar o cigarro e descartá-lo em local adequado;
O Ibram também lançou o Almanaque do Fogo. A publicação mostra a importância da prevenção e os perigos do fogo, além de dar suporte às ações de educação ambiental.
O material pode ser conferido neste link (http://www.ibram.df.gov.br/wp-content/uploads/2020/05/Almanaque-do-fogo-2020_05-12_3-3.pdf). “Essa publicação é muito importante porque vem reforçar o trabalho desenvolvido pelos parceiros do PPCIF que realizam ações de sensibilização, para prevenção de incêndios florestais.”, afirmou o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho.
* Com informações da Secretaria de Segurança Pública

Share on Google Plus

About CRIATIVO PUBLICIDADE

0 comentários:

Postar um comentário