Ibaneis diz que novas estações de metrô de Samambaia vai sair do papel e tornar realidade

EXPANSÃO DO METRÔ PODE SAIR NO NOVO GOVERNO.

Governador eleito do DF pretende construir novo ramal e comprar trens. Equipe se reuniu com sindicatos, mas adiou anúncio do futuro secretário de Saúde

O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), se reuniu na noite desta terça-feira (30) com o ministro das Cidades, Alexandre Baldy (PP). O encontro, segundo a assessoria do novo governo, serviu para que Ibaneis pedisse verbas adicionais para o Metrô no orçamento de 2019.

Na reunião, o futuro governador apresentou duas intenções: a de expandir o serviço atual construindo um novo ramal de trilhos – o trajeto não foi detalhado à imprensa –, e a de comprar novos trens.

A equipe não disse se recebeu algum tipo de garantia do governo federal. Os acordos que forem feitos até dezembro terão, ainda, de ser ratificados pela equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) – que não tinha indicado um ministro para Cidades ou Infraestrutura até esta terça.

Em busca do dinheiro

Desde o anúncio do resultado no último domingo (28), Ibaneis e interlocutores se reuniram com diversos políticos com mandato atual para “passar o chapéu” – ou seja, pedir dinheiro adicional para começar a cumprir as promessas já em 2019.

Na tarde desta terça, Ibaneis foi à Câmara Legislativa para pleitear ajustes no orçamento do ano que vem e destinação de emendas parlamentares para áreas estratégicas. Entre as prioridades, está o aumento da previsão de concursos para o serviço público.

Na segunda (29), Ibaneis se reuniu com o presidente Michel Temer no Palácio do Planalto, também para tratar de temas econômicos. A pauta incluiu mudanças no Fundo Constitucional e criação de um arcabouço legal que leve ao estabelecimento de uma “região metropolitana do DF”.

Enquanto essa reunião acontecia, o nome indicado por Ibaneis para a Secretaria de Fazenda do DF, André Clemente, foi à Câmara Federal pedir dinheiro aos atuais deputados do DF. Ao sair do encontro, o auditor disse ao G1 que tinha conseguido R$ 790 milhões em emendas.

Secretaria de Saúde

Entre uma reunião econômica e outra, nesta terça, Ibaneis se encontrou com o ex-secretário de Saúde Jofran Frejat (PR), o presidente do Sindicato dos Médicos, Gutemberg Fialho, e o distrital eleito e ex-presidente do Sindicato de Auxiliares Técnicos de Enfermagem do DF, Jorge Vianna.

A reunião tinha o objetivo de listar possíveis nomes para chefiar a Secretaria de Saúde, mas terminou sem um anúncio oficial. Com isso, a decisão foi adiada para a próxima segunda (5), quando deve ser chamado um novo encontro entre os setores.

Atualmente, Ibaneis trabalha com a ideia de dividir a pasta de Saúde em duas – uma voltada para a atenção básica (postos e Saúde da Família, por exemplo), e outra com foco na média e alta complexidade (UPAs e hospitais).

No governo Rodrigo Rollemberg (PSB), assim como nos anteriores, a Secretaria de Saúde é uma só, mas há subsecretarias voltadas para cada um desses “focos”. Se os planos de Ibaneis forem mantidos, será a primeira vez que Brasília terá dois secretários de Saúde.

Equipes de transição

A transição do governo de Rodrigo Rollemberg (PSB) para a gestão de Ibaneis começou nesta terça-feira. O Centro de Convenções Ulisses Guimarães foi escolhido para abrigar o gabinete de transição. A Casa Civil coordenará o processo pelo GDF.

O vice-governador eleito, Paco Britto (Avante), foi escolhido como o novo coordenador-geral do governo de transição. A equipe de Ibaneis trabalhará no Centro Internacional de Convenções de Brasília (CICB). O órgão foi oficializado no Diário Oficial do DF desta terça.

O governador eleito quer criar núcleos, que vão estudar e propor soluções para áreas, como educação, segurança, saúde e mobilidade, por exemplo. A quantidade e todos os nomes dos núcleos que vão operar ao longo da transição não foram definidos até a publicação desta reportagem.

No entanto, até as 20h desta terça-feira (30), Ibaneis já havia confirmado os seguintes nomes para atuarem na transição:

André Clemente: futuro secretário de Fazenda do DF, auditor de carreira

Ericka Filippelli: futura secretária da Mulher

Izidio Santos: futuro secretário de Obras, atual vice-presidente do Sindicato das Empresas de Construção Civil

Denise Andrade da Fonseca: vai coordenar, na transição, os planos de gestão das empresas estatais do DF. Ela é advogada da Emater há 20 anos e conselheira da Ordem dos Advogados do Brasil no DF.

Renato Grillo Ely: vai coordenar, na transição, a área de mobilidade e transportes.

Segundo a assessoria do governador eleito, a ideia inicial é “observar” o trabalho desses coordenadores nos próximos dois meses. Só então, a depender da notoriedade do trabalho, eles serão oficializados como secretários das áreas.

Viagem
Ibaneis viaja para São Paulo, na manhã desta quarta-feira (31), onde fará um check-up de rotina no Hospital Albert Einstein. O acompanhamento médico decorre de uma cirurgia bariátrica feita pelo advogado há alguns anos.

A futura primeira-dama, Mayara Noronha, deve acompanhar Ibaneis na viagem – o casal retorna após o feriado, na próxima segunda. Apontado como coordenador geral da transição, o vice-governador eleito Paco Britto também está fora do DF, mas deve voltar nesta quinta (1º).

POR G1
Share on Google Plus

About Criativo Publicidade

0 comentários:

Postar um comentário