Maison Buffet, de Samambaia Sul, declara falência e deixam noivos na mão

Noiva denuncia calote de buffet a 10 dias do casamento Polícia Civil investiga o caso e já ouviu 11 testemunhas, entre elas noivas e aniversariantes. Empresa, de Samambaia Sul, declarou falência e, em comunicado, lamentou a situação.
Depois de encontrar o par perfeito e juntar dinheiro para a tão esperada festa de casamento, o sonho da vendedora Julianne Alves Ferreira, 27 anos, e do noivo, o servidor público Luciano Garcia Santos, 27, está ameaçado.
A empresa contratada para realizar o evento informou, nesta quinta-feira (4/10), a menos de 10 dias da data agendada, que não cumprirá o contrato. De acordo com Julianne, há pelo menos outras 20 noivas lesadas. O casal fechou o contrato com a empresa Maison Buffet, de Samambaia Sul, em dezembro de 2017, para a realização da festa de casamento com data prevista para 13 de outubro de 2018.
“Primeiro, nós fechamos o espaço, decoração, DJ e pista de dança. Depois, o filho da dona veio e ofereceu uma promoção relâmpago, com bolos, doces, fogos, tudo. A gente acertou tudo com eles, a única coisa que fechamos fora foi a banda da igreja”, afirma.
O casal fechou o pacote para 200 convidados e investiu R$ 19 mil. “Todas as nossas economias estão investidas nesse casamento”, desabafou a noiva. De acordo com a vendedora, essa não foi a primeira vez que tiveram problemas com a empresa. “Em meados de julho, surgiu outra história de falência. Eles convocaram uma reunião com os noivos e as debutantes para desmentir”, explica.
Depois dessa situação, o casal decidiu firmar outro contrato para finalizar o pagamento. “O total da festa é R$ 23 mil, como aconteceu esse boato, a gente decidiu pagar os R$ 4 mil restantes só depois do evento”, acrescenta Julianne.
Nesta quinta-feira, no entanto, a empresa comunicou à noiva que não tem mais dinheiro e que, por isso, não poderá fazer a festa. “Estou arrasada”, lamenta, aos prantos. O casal pretende entrar na Justiça e cobrar, além do ressarcimento, indenização pelo dano causado.
Segundo o delegado-chefe da 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul), que investiga o caso, Joás Bragança Borges, o inquérito foi instaurado como possível estelionato com associação criminosa. “Trabalhamos com todas as linhas de investigação. As vítimas estão noticiando que eles estavam fazendo promoções abaixo do mercado, prevendo a falência.
Estamos investigando se eles agiram de má-fé quando firmaram os contratos”, ressalta. Até as 18h, 11 pessoas haviam prestado depoimento, entre noivos e aniversariantes. Os investigadores não conseguiram contato com os proprietários da empresa e o salão de festas da empresa está vazio.
Joás Bragança alerta outros clientes que tenham sido prejudicados a procurarem a delegacia para fazer o boletim de ocorrência e prestar depoimento. A reportagem tentou contato com a empresa por telefone, mas ninguém atendeu as ligações.
Em comunicado enviado a um grupo de noivas no WhatsApp, os donos explicaram a situação. “Rezamos, corremos atrás, pegamos dinheiro emprestado, ficamos sem pagar funcionários, fornecedores e parceiros”, declararam. “Estamos abrindo falência, pedimos desculpas por todo o transtorno, mas fizemos tudo o que pudemos, realmente chegamos ao fim!” Concluem dizendo para que os clientes que “procurem seus direitos como consumidores”, pois preferem resolver os contratos em juízo.
Fonte Portal Correio Braziliense
Share on Google Plus

About Criativo Publicidade

0 comentários:

Postar um comentário