Rollemberg dá calote e empresa suspende, nesta sexta(21), atendimentos do 192 do SAMU

Denúncia recebida por Política Distrital (PD), na noite desta quinta-feira (20/Set), aponta que a partir das 0h de sexta-feira (21/Set), o serviço de atendimento dos Técnicos Auxiliares de Regulação Médica (TARMS) e Radio Operadores do Serviço de Atendimento Médico de Urgência devem ser suspensos, por falta de pagamento do GDF.
De acordo com o denunciante, sob sigilo de identidade, a Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão (SEPLAG), responsável pela gestão do contrato com a empresa Vanerven Solution, está em atraso há mais de três meses, e com isso garantiu, na Justiça, o direito a suspender os serviços.
Em consulta ao Portal da Transparência do DF é possível constatar que de R$ 23 milhões, desses R$ 13 milhões liquidados. Isso em contratos com órgãos do GDF, pela SEPLAG, o último empenho foi emitido  pela Secretaria em 28 de maio, no valor de 1,4 milhões.
inda de acordo com o denunciante, para resolver o problema, a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) após convidar e ficar sem retorno, convocou um técnico em enfermagem de cada unidade do SAMU em que as viaturas tinham dois tripulantes .
PD conversou com uma operadora do serviço, funcionária da Van Ervem, além de uma servidora da SES-DF que atua nas unidades móveis. Em comum, as profissionais de saúde, que também sob sigilo de identidade, tinham em comum, a preocupação com a ‘solução’ da SES-DF.
Para a Técnica da Van Ervem, o GDF comete um grave erro, uma vez que falta treinamento adequado aos técnicos em enfermagem requisitados para fazer o atendimento do serviço do SAMU 192.
“Eles não têm preparo. Eles vão receber instruções relâmpagos entre meia noite e uma da manhã. Mas para nós que fazemos isso diariamente, sabemos que está longe de ser a capacitação adequada para  prestar esse tipo de atendimento. O que pode comprometer e até levar pessoas em atendimento de urgência a óbitos ou complicações.”, explicou.
A servidora da SES-DF, lotada no SAMU, por sua vez, também questionou a postura da SES-DF. “Os técnicos em Enfermagem não têm treinamento algum em TARMS. Eles têm como rádio operador o que é bem diferente. Então é preocupante pois além de  desfalcar as equipes do SAMU para exercer uma função sem o menor preparo ainda podem prejudicar pessoas que precisam de atendimento emergencial. Eles [gestores da SES-DF] disseram que vão dar treinamento, mas esse treinamento, de meia hora, nem de longe deve qualificar para prestar esse tipo de serviço.”, afirmo.
O que diz a SES-DF?
Procurada, a coordenadora dos TARMS, Ana Paula, afirmou não ter autorização para falar sobre o assunto e pediu para recorrer a Assessoria de Comunicação da SES-DF. Essa por sua vez, acionada não se manifestou, até o momento da publicação da matéria.
FONTE: 
Política Distrital (PD)
Share on Google Plus

About Criativo Publicidade

0 comentários:

Postar um comentário