Trabalhadores terão R$ 6 bilhões a mais no FGTS deste ano



Os mais de 80 milhões de brasileiros que têm conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) terão o patrimônio engordado neste ano. Como determina a lei, pelo segundo ano consecutivo, o fundo vai repartir entre os cotistas metade dos lucros obtidos com a aplicação dos recursos em projetos de habitação e de infraestrutura. A expectativa é de que aproximadamente R$ 6 bilhões sejam depositados nas contas vinculadas no fim de agosto. Com isso, a rentabilidade do FGTS vai aumentar, garantindo, mais uma vez, um ganho acima da inflação.

 rendimento básico do fundo é determinado pela Taxa Referencial (TR) mais juros de 3% ao ano. Em 2016, o ganho atingiu 5,11%, ficando abaixo da inflação, que alcançou 6,29%. Entretanto, após a distribuição de R$ 7,3 bilhões de lucro — feita em 2017 —, os ganhos dos trabalhadores totalizaram 7,14%. No ano passado, a rentabilidade nominal do FGTS chegou a 3,61%, superando a variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 2,95%, o que não ocorria desde 2007. Com isso, os trabalhadores tiveram ganho real de 0,55%. No entanto, com a distribuição de parte do lucro obtido em 2017 — que será efetivada em agosto próximo — o resultado será ainda melhor.

Os recursos serão distribuídos aos trabalhadores que tinham saldo no fundo em 31 de dezembro do ano passado. O valor será obtido por meio da multiplicação do saldo da conta por um índice aprovado pelo Conselho Curador do FGTS.

O reforço do FGTS é uma boa notícia para o trabalhador, que terá aumento do seu patrimônio. É importante ter em mente, porém, que os recursos do fundo só podem ser sacados em situações específicas, previstas na legislação, como compra da casa própria, aposentadoria, demissão sem justa causa ou nos casos em que o participante seja acometido de doença grave, como câncer e Aids. Em qualquer outra hipótese, o dinheiro extra permanecerá depositado nas contas vinculadas.


Perspectiva


Segundo o coordenador do MBA de gestão financeira da Fundação Getúlio Vargas, Ricardo Teixeira, o país vive um momento diferente da época em que o fundo rendia sistematicamente menos que a inflação. “Há uma mudança de perspectiva”, explica. Isso ocorre tanto pelo fato de a inflação ter caído quanto pela adoção da política de distribuição anual dos lucros entre os cotistas. Antes da Lei nº 13.446/2017, os ganhos das aplicações permaneciam no fundo, mas não eram creditados nas contas individuais dos participantes.
Share on Google Plus

About LEANDRO PRODUÇÕES

UMA EMPRESA EM CRESCIMENTO NO RAMO DA MULTIMIDIA,PROJETOS GRÁFICOS,OU SEJA FILMAGEM DE EVENTOS,EDIÇÃO DE VIDEO ETC UM NOVO CONCEITO EM INOVAÇÃO MULTIMIDIA.

0 comentários:

Postar um comentário