Crise do desabastecimento de gás de cozinha não tem data para acabar, diz Sindicato


Ao contrário do anúncio do GDF de que o abastecimento de gás de cozinha estaria normalizado, a situação ainda é crítica nas revendedoras. Segundo o sindicato da categoria (Sindvargas-DF), a Petrobras está limitando a oferta do produto desde segunda-feira (4/6).


Com isso, os principais fornecedores, como os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, não estão suprindo a demanda do Centro-Oeste. “A situação não tende a normalizar, a não ser que o governo intervenha e a Petrobras mude a postura fornecendo o produto que a população tanto necessita nesse momento”, destacou o Sindvargas, em nota divulgada nesta quarta (6).
Como se não bastasse, a entidade destacou que a refinaria de Paulínia, em São Paulo, entrou em manutenção, o que reduz ainda mais a oferta. “A população vai continuar sofrendo”, alertou o sindicato.
Na segunda (4), o GDF disse que a crise provocada pela greve dos caminhoneiros estava superada no Distrito Federal. Tanto é que desmobilizou o grupo montado para acompanhar os desdobramentos da paralisação dos motoristas nas estradas.
O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) também informou na ocasião que estavam sendo distribuídos 30 mil botijões de gás de cozinha no DF diariamente, 10 mil a mais que o consumo médio dos brasilienses. No entanto, há três semanas, a população não encontra o produto nas revendedoras. Enquanto isso, os atravessadores tentam faturar vendendo o botijão por até três vezes o valor normal oferecido nas revendedoras.
Em meio à crise, o corretor de imóveis José Carlos Pussa, 68 anos, reclama que  não está conseguindo acionar o Procon nesta quarta para denunciar suposta propaganda enganosa. Nesta manhã, ele recebeu ímã de uma revendedora de gás, no qual a empresa anuncia o produto a R$ 63 no Guará. O valor é bem abaixo da média de preço praticada nas últimas semanas, de R$ 75.
“Liguei na empresa para comprar o botijão, mas me disseram que o estoque acabou há quatro dias”, contou. José Carlos se sentiu enganado. Por isso, ligou para o Procon, mas não conseguiu denunciar o episódio. “Tentei mais de 10 vezes. Ninguém me atendeu”, lamentou.
Metrópoles entrou em contato com a assessoria do órgão e aguarda retorno. Na empresa, os funcionários não atendem nem o telefone fixo nem o celular no começo da tarde desta quarta.
FONTE: METROPOLES
Share on Google Plus

About Criativo Publicidade

0 comentários:

Postar um comentário