Campanha de vacina antirrábica começa na quinta-feira (28)


O Distrito Federal fará, nesta quinta (28) e sexta-feira (29), a abertura da Campanha Antirrábica Animal de 2018 no Hospital Veterinário de Brasília. A ação era desencadeada em três fins de semana, em postos fixos da cidade, mas neste ano deve durar 12 semanas e se estenderá até 29 de setembro.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Marcus Quito, as mudanças foram adotadas porque a quantidade de animais imunizados diminuiu nos últimos nove anos. “Queremos ter mais acesso e dar mais oportunidades para que as pessoas vacinem seus animais.”
Outra novidade é que a campanha será itinerante, o que permitirá à população vacinar os animais domésticos em dias úteis. “Nossas equipes vão com veículos de segurança ambiental da Secretaria de Saúde visitar locais como condomínios”, explicou o diretor de Vigilância Ambiental em Saúde da pasta, Rafael Almeida.
Cerca de 500 funcionários das Secretarias de Saúde e do Meio Ambiente, do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e universitários de cursos de veterinária percorrerão todo o DF para vacinar os bichos.
“Caso uma família não consiga acessar o atendimento itinerante, manteremos três fins de semana em postos físicos”, acrescentou Almeida.
Os postos físicos atenderão nos fins de semana em 21 de julho, e em 29 de setembro nas áreas urbanas. Em 25 de agosto, o atendimento será nas áreas rurais.
A previsão é que funcionem 80 postos em cada fim de semana. Os locais serão divulgados no site da Secretaria de Saúde nos dias anteriores.
A expectativa é que 80% da população de cães e gatos – aproximadamente 270 mil – seja imunizada. O porcentual é o necessário para criar uma barreira contra a disseminação da doença entre humanos.

Histórico da raiva em Brasília

Segundo nota emitida pela Secretaria de Saúde, a raiva está controlada no DF, mas a vacina é necessária por ser a única forma de prevenção.
O único caso da doença em humanos no DF ocorreu em 1978, mas houve disseminação da infecção em cães e gatos em 2000 e 2001.
O vírus é 100% letal ao ser humano e tem, como meio principal de transmissão, a mordida de animais, especialmente de cães e gatos.
Entre os sintomas da doença em cães estão:
  • Agressividade, com tentativas de morder pessoas, animais e objetos
  • Tristeza, com busca de lugares escuros
  • Alteração do latido
  • Salivação excessiva, com a boca aberta constantemente
  • Recusa de alimentos e de água por ter dificuldade de engolir, com engasgos
  • Perda de coordenação motora
  • Convulsões
  • Paralisia nas patas traseiras
  • Paralisia total
Caso haja suspeita de que o animal tem a doença, ele não deve ser sacrificado. A orientação é deixá-lo em observação por dez dias em local seguro, de forma a evitar ataques a pessoas ou outros bichos.
Se a observação não for possível, ele deve ser encaminhado ao canil da Vigilância Ambiental em Saúde, da Secretaria de Saúde, no Setor de Habitações Coletivas Noroeste 4.
Share on Google Plus

About Criativo Publicidade

0 comentários:

Postar um comentário