Homens são presos após enterrar cachorro vivo no DF



Dois homens foram presos por praticarem maus-tratos a um filhote de cachorro na manhã deste sábado (14). Eles foram flagrados por uma equipe da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) logo após enterrarem o animal, ainda vivo, em um descampado na QE 5 do Guará I.
Ao perceber a atitude suspeita dos homens a equipe de militares fez a abordagem e questionou o que eles faziam no local. Paulo Henrique Gomes Trajano, 24 anos, e Lucas Augusto Valle dos Santos, 22 anos, disseram que tinham encontrado um cachorro morto e e realizaram o enterro. Desconfiados, os militares pediram que a ação fosse desfeita e encontraram o filhote ainda vivo, respirando, porém muito machucado. Uma militar que participou da ocorrência informou que os ferimentos aparentavam terem sido causados por chutes ou apedrejamento.
O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) foi acionado para fazer o resgate e chegou a encaminhar o filhote para uma clínica particular no Lago Sul, entretanto, o animal não resistiu aos ferimentos e morreu no local. A médica veterinária que realizou o atendimento  informou a reportagem do JBr. que o cão tinha diversas fraturas no crânio e mandíbula causados por algum tipo de trauma. Ainda segundo a doutora, que não quis se identificar, o animal aparentava ser um filhote da raça boxer e tinha de 2 a 3 meses de idade.
“Por conta da série de machucados e aprofundamento da face e crânio ficou muito difícil precisar a raça. O animal era muito pequeno e não chegava a pesar nem 2kg”, revelou.
Os homens foram encaminhados para a 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), onde assinaram Termo Circunstanciado e foram liberados. Eles vão responder por crime de maus-tratos.
Share on Google Plus

About LEANDRO PRODUÇÕES

UMA EMPRESA EM CRESCIMENTO NO RAMO DA MULTIMIDIA,PROJETOS GRÁFICOS,OU SEJA FILMAGEM DE EVENTOS,EDIÇÃO DE VIDEO ETC UM NOVO CONCEITO EM INOVAÇÃO MULTIMIDIA.

1 comentários:

  1. Isso é hediondo! Um animalzinho inocente 2x: por ser animal e ainda, um bb. E os covardes são soltos como se nada tivesse acontecido! E a dor? E a morte? Isso não foi, nada?

    ResponderExcluir